Dica do Nono

Portugal e o bacalhau – parte 1

Fonte da Imagem: José Luis Luvizetto Terra

Fonte da Imagem: José Luis Luvizetto Terra

A comida italiana conquistou inúmeros países. Há incontáveis restaurantes italianos espalhados pelas principais cidades do planeta. É, portanto, uma culinária internacional.

A culinária portuguesa também possui característica internacional. Mas, diferentemente da italiana, a portuguesa destacou-se em agregar sabores e receitas de outros povos e países estrangeiros.

Com o início das navegações, os portugueses traziam em seus navios não somente as cargas de especiarias e produtos do além-mar. Voltavam repletos de novos sabores e idéias gastronômicas. Da longínqua Índia, agregaram canela e cravo às receitas. Do Brasil, as frutas e temperos típicos. E dos povos que pescavam em áreas próximas do Pólo Norte, o bacalhau.

A relação do povo português com o bacalhau é antiga (remonta às grandes navegações – século XV). É uma tradição. O restaurante é português? Certamente terá bacalhau no cardápio. Será uma falha inaceitável constatar que um restaurante português não possui pelo menos um prato com bacalhau em sua receita.

Deve ficar claro que o termo bacalhau pode ser utilizado tanto para o peixe (Gadus morhua) como para o método de salga, indispensável para que o alimento não perecesse na longa travessia do Atlântico. O bacalhau poderá ser preparado de inúmeras maneiras, inclusive tendo nomes típicos (à Brás, à Lagareiro, a Zé do Pipo, etc etc etc). Todos, invariavelmente, com a característica do sabor levemente salgado e em porções generosas.

Próximo de Lisboa há um restaurante que exige uma visita e que surpreenderá até mesmo ao mais exigente apreciador de bacalhau.

O Restaurante O fuso está localizado na cidade de Arruda dos Vinhos, na região vinífera da Estremadura. Fica a apenas 30 minutos de carro da cidade de Lisboa, quase no Alentejo ( https://www.tripadvisor.com.br/2650622?m=19905 e https://goo.gl/maps/rZp48KAPphm ).

O restaurante é frequentado por moradores locais (ou no máximo por lisboetas a passeio). É o típico local que iremos após uma dica de algum conhecido. O prédio é uma vinícola antiga, tendo no salão principal um enorme lagar desativado. A peculiaridade é que nesta vinícola utilizavam uma pedra enorme para extrair o mosto da uva, erguida por um fuso (ou parafuso) de igual proporção –  daí o nome do restaurante. Só por isso já vale a visita.

Mas o grande diferencial está visível na entrada. Há uma enorme parrilla. SIM. Parrillada de bacalhau. Mas não só de bacalhau. Postas generosas de atum fresco ou costelas de gado poderão ser preparadas também. Tudo na parrilla, assados em generosa labareda.

A lenha confere aroma e sabor únicos ao bacalhau, agregando características que nos levam a filosofar sobre o momento e como devemos ser gratos por tais experiências.

Bom apetite. E boa viagem.

Os textos publicados não refletem necessariamente a opinião da AJUFERGS. O blog é um meio de convergência de ideias e está aberto para receber as mais diversas vertentes. As opiniões contidas neste blog são de exclusiva responsabilidade de seus autores.
  1. Antônio Alberto de Melo Bertaco Junior

    Sensacional. Saindo correndo agora para comprar os ingredientes azeite, louro, sal, pimenta e leite para fazer o bacalhau à Zé do Pipo; Ansioso para próximo post.

Deixe um comentário para Cancelar resposta