Ficha Técnica:
Título: “Por favor, cuide da mamãe”
Título Original: “Please look after Mom”
Autor: Kyung-Sook Shin
Tradução: Flávia Rössler
Editora: Intrínseca, Rio de Janeiro, 2011.
Gênero: Século XX, ficção, relações familiares, idosos, maternidade.

29210883

A autora Kyung-Sook Shin é sul-coreana e o livro foi publicado em 23 países, atualmente é professora visitante da Universidade de Columbia.

Trata-se de ficção, aberta com uma citação do compositor Franz Liszt: “Ame, enquanto puder amar … Conta a história de uma mulher idosa, mãe de cinco filhos adultos, moradora do interior do Coréia do Sul que desaparece na estação do metro ao chegar a Seul. Park é casada há mais de 50 anos e o marido não percebe o sumiço, pois supunha que ela o seguia, alguns passos atrás, como sempre. O desaparecimento é um mistério. Os filhos, em especial a filha solteira, tomam iniciativas para localizar a mãe, desde a distribuição de panfletos e cartazes, colocados na imprensa, na internet, etc. e repassam a vida com ela “Até que ponto do passado vai a lembrança de alguém?”Lembram tudo o que não disseram a ela e concluem que de fato nunca conheceram “mamãe”. É uma delicada história de relações familiares, da posição da mulher na sociedade e nos deixa uma reflexão sobre o momento da vida em que passamos a entender os sacrifícios que nossas mães fizeram. O que acontece se é tarde demais para agradecer. O que fazer com as palavras e gestos que não fomos capazes de em vida externar. Por outro lado, um retrato cruel da falta de políticas públicas em relação ás populações rurais e famílias mais pobres. Outra reflexão que se pode fazer é sobre a política da padronização de casas populares e o estranhamento da personagem Park. O rosário de pau rosa está delicadamente inserido no texto e na ilustração da capa. Nenhum dos muitos filhos percebeu o declínio das capacidades cognitivas da mãe, ninguém lembrava como estava vestida, por ocasião do sumiço. O pior, não tinham foto atual da idosa. Realmente conhecemos nossa mãe? A leitura nos leva a refletir sobre a brevidade da vida, sobre os gestos de amor, cuidados e carinhos que recebemos e não agradecemos, por considerá-los naturais. Final surpreendente.

 

Os textos publicados não refletem necessariamente a opinião da AJUFERGS. O blog é um meio de convergência de ideias e está aberto para receber as mais diversas vertentes. As opiniões contidas neste blog são de exclusiva responsabilidade de seus autores.